domingo, 19 de junho de 2011

Aula de campo com acadêmicos da UNESPAR-Paranavaí

Os acadêmicos do 1º ano de pedagogia T1 e T2, da disciplina "Educação do Campo", do professor Elias Canuto Brandão, participaram sábado (18 de junho) de aula de campo, na Escola Itinerante Carlos Marighella, no Acampamento Elias Gonçalves de Meura, no Município de Guairaça, divisa com o Município de Planaltina do Paraná, a 50 km da UNESPAR-Campus de Paranavaí. O transporte se deu em ônibus e van alugados pelos próprios acadêmicos, além de veículos de passeio e motos.
Foto: Elias Canuto Brandão

Os acadêmicos foram recebidos na entrada do acampamento pelos acampados (crianças e coordenação da Escola Itinerante) e professoras educadoras da educação básica (Município de Planaltina e Estado). A coordenadora da Escola, Jocilene Pinto Deolindo deu as boas vindas, falou do Movimento Sem Terra, do motivo de estarem naquela área há 08 anos e do por que do nome do acampamento Elias Gonçalves de Meura.
Jocilene Deolindo convidou os acadêmicos a se dirigirem até a Escola Itinerante passando pelo local do assassinato e por meio do acampamento.
Foto: Elias Canuto Brandão

Foram aproximadamente 10 minutos de caminhada com músicas animadas pelo violeiro Davi, além de conversas dos acadêmicos com os acampados, crianças e professoras. Durante o trajeto, todos pararam defronte o local do assassinato de Elias Meura, em 2003. Os acadêmicos tiraram fotos e fizeram perguntas sobre a tragédia.
Foto: Elias Canuto Brandão


Ao chegarem à Escola, os acadêmicos foram recepcionados com uma mística pelas crianças da escola e por palestras sobre Educação do Campo no Paraná e no Brasil, Escola Itinerante e trabalho dos educadores.
Foto: Fernando Krueger


As atividades da parte da manhã encerraram-se com a socialização dos lanches entre os acadêmicos.
Na parte da tarde os acadêmicos visitaram famílias acampadas e conheceram o assentamento Chico Mendes. Foram recebidos pelo senhor Francisco, do setor de Educação do MST que descreveu a história do assentamento, área de 1.500 alqueires ocupada há 13 anos, em 1998 e que foi dividida pelo INCRA há um ano para assentamento de 130 famílias.Os assentados ainda estão se organizando nos lotes, inicialmente por meio de construções simples de moradias, alguns em barracos e outros em casa de madeira.
Após o retorno ao acampamento, o professor Elias Canuto Brandão coordenou uma avaliação final da aula de campo com os acadêmicos (Foto ao lado: Maria Aparecida Cecílio). Vários acadêmicos das turmas T1 e T2 utilizaram da palavra e descreveram sobre o aproveitamento da aula de campo. Falaram e agradeceram à coordenadora pedagógica e professoras da Escola Itinerante sobre a recepção, palestras e dúvidas. Avaliaram retornarem à Universidade com outra visão dos acampados e do Movimento Sem Terra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário